­
Siga o Sem Arrudeio em:
Receba nossas atualizações via email:
2 de maio de 2010


Já tem um tempo que, quando não saio, minhas madrugadas de sábado são em frente ao computador ou a TV e as vezes aos dois. Comecei a assistir um programa que passa nesse horário e que acho muito legal chamado Cine Privê 50 por 1, na Record.
No programa, o apresentador Álvaro Garnero viajava (ainda viaja...) pelo mundo mostrando atrações turísticas e culturais, restaurantes e experiências que seriam recomendadas para qualquer um que fosse para esses lugares.
Não sendo um telespectador muito assíduo, só vi a uns dois sábados que o cara está fazendo os programas da temporada atual no Brasil e que o episódio de ontem (na verdade de hoje...o programa começa depois da meia noite do sábado, logo é domingo) seria sobre a nossa querida Paraíba.
Como curto muito ver a minha terra sendo exaltada em qualquer que seja o meio, fiquei segurando o sono para poder assistir o programa que só foi começar depois de 00:30.
A essa altura da noite eu já tinha xingado Tom Cavalcante e o resto do povo do Show do Tom de todos os xingamentos imagináveis (e os inimagináveis também!) pois eu já tava PUTO da vida com o bendito 50 por 1 que não começava.

Como o programa passou ontem, trago para vocês somente o começo dele (não achei o programa todo :/) onde a cidade de Cabaceiras foi visitada. Confiram:

Será que o bode ficou bem? :P

Assim que conseguir o programa completo, faço outro post com os videos pois vale a pena ver tudo.
Se tivesse tomado conhecimento que o cara vinha por aqui antes da gravação do programa, teria feito algumas sugestões de lugares, pois ele visitou pouca coisa (ou colocou no programa pouca coisa, não sei) e temos outros programas fantásticos para serem feitos como Tambaba (Não, eu definitivamente não iria querer assistir Alvaro Garnero em Tambaba. Minha praia é outra: nem Tambaba, nem homem nu :P), Picãozinho, procurar algumas tartarugas para salvar em Intermares dentre outros lugares ótimos para se visitar e experiências ótimas de se ter.
 Picãozinho 
No fim do programa ele define uma experiência/lugar que ele achou marcante que aqui na Paraíba foi ter aprendido um pouco de robótica na Estação Cabo Branco. Tudo bem que ele tenha escolhido isso, é a opinião dele (ou da produção ous de ambos, não sei) e para quem é de fora, chegar aqui e aprender robótica em um prédio desenhado por Niemeyer com certeza é surpreendente pois sabemos que a imagem da Paraíba no resto do país é geralmente de seca, fome e miséria. Não sei se ele escolheu essa experiência por esse motivo e se foi, espero que ele tenha mudado sua visão sobre o nosso estado.
Porém podemos dizer que isso não foi uma experiência com "a cara da Paraíba" e para poder caracterizar melhor a sua visita na Paraíba, Garnero poderia ter escolhido "algo mais paraibano", uma coisa mais paraibana mesmo pois robótica tem em muito canto e prédio de Niemeyer também. As duas coisas juntas não deve ser tão comum, porém não é lá muito uma coisa exclusiva da nossa terra.

Com esse único defeito (na minha opinião, é claro), o programa apresentou de uma forma muito legal a nossa amada Paraíba e com certeza ajuda a desmistificar a "imagem seca" que temos para muita gente ignorante e preconceituosa no nosso Brasil.
Parabéns ao Álvaro Garnero e sua produção, esperamos que mais eventos como esse aconteçam para enaltecer a imagem da nossa amada terrinha.
­

­

3 comentários:

Anônimo disse...

é isso, aí, PH! concordo plenamente!

Marla disse...

Ñ achei o programa tão bom assim e não acho que ele exaltado a Paraíba não! Achei um programa até um tanto quanto preconceituoso e reforçando a imagem de "paraibano" no sentido pejorativo. Acho que pra ser um programa valorizando a Paraíba faltou MUITO! Não sei se nesse caso valeu a intenção! =/

Marla!

Sem Arrudeio disse...

Marla,
Respeito sua opinião, porém não concordo.

O programa mostrou a cultura do paraibano, como o paraibano brejeiro, cabra macho. Mostrou belos lugares como o Lajedo de Pai Mateus.
Temos de ter cuidado com essa ideia de preconceito, pois o preconceito de início surge na cabeça de quem sofre ele.
E muitas vezes, não existe esse preconceito em canto nenhum, senão na cabeça de quem está "sofrendo" ele.
Não consegui ver nenhum momento no programa que rolasse esse sentido pejorativo que você falou.
O que vi foi meu estado na sua essência, o paraibano cabra macho, um pouco das nossas belas praias e um povo feliz e pra lá de hospitaleiro.

Quando há o preconceito e todos podem visualizá-lo, como no caso da idiota da Susana Vieira ( http://www.semarrudeio.com/2010/04/imaculada.html ), aí sim temos de reclamar, xingar, boicotar e tudo mais. Quando nós ACHAMOS que houve preconceito, devemos pensar duas vezes antes de dizer que há o preconceito, pois na maioria das vezes estamos errados seguindo o preconceito que nós prórpios temos enrustidos na nossa cabeça.

O que precisamos fazer para mudar a nossa imagem negativa com o resto do país é, como prioridade, parar de dar uma de coitadinhos e ver preconceito onde não existe.
Precisamos também mostrar do que somos capazes e ter um sentimento maravilhoso no momento em que calarmos a boca de quem nos chamar de "Paraíba" (aí sim do jeito pejorativo).

Sou Paraíba sim senhor! Com muito orgulho e muito amor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...